Arquivo de tag Alfabeto

porDaniel

Alfabeto

O alfabeto espanhol está formado, atualmente, por 27 letras, mas até 2009 estava formado por 29 letras. A mudança no número de letras veio com a reforma ortográfica realizada pela RAE (Real Academia Española) em 2010. Desde então não fazem parte do alfabeto as letras “ch” e “ll”.

Há outras mudanças também, em relação com as letras do alfabeto: o “y” antes chamava-se  “i griega”, agora só pode ser chamada como “ye” (pronuncia em português “je”); o “i latina” só pode ser nomeada de “i”; o “b” só será denominado de “be”, e não mais de “be larga” ou “be alta”; o “v = uve” não aceitará mais as denominações de “ve corta” nem  “ve baja”.
Os nomes das letras do alfabeto em espanhol são femininas, ou seja, “as letras” (las letras en el idioma español son femeninas).

O alfabeto espanhol está formado por:

Nome da letra e pronunciação: A, a, B, be, C, ce, D, de, E, e, F, efe, G, ge, H, hache, I, i, J, jota, K, ka, L, ele, M, eme, N, ene, Ñ, eñe, O, o, P, pe, Q, cu, R, ere o erre, S, ese, T, te, U, u, V, uve, W, uve dobre, X, equis, Y, ye, Z, zeta.

Ouça abaixo o áudio do alfabeto espanhol na pronuncia original no dioma espanhol:

Obrigado por nos visitar, tire suas dúvidas nos comentários; se achou útil este post compartilhe com seus contatos…

porDaniel

Letra ñ

Históricamente la «ñ» tiene en común con la «w» el hecho de que ambas, procediendo de una versión duplicada de la «n» y la «v», respectivamente, han pasado a ser consideradas como letras independientes.

Entre las lenguas que han adoptado la letra «ñ» para el sonido palatal nasal se cuentan el: aymara, asturiano, bubi, castellano, chamorro, extremeño, euskera, filipino, guaraní, mapuche, mixteco, quechua, tagalo, tetum, wolof y zapoteco.
¿Sabías que el origen de la eñe es una ligadura o una sujeción que une una cosa con otra?
En gallego la «ñ» ya aparece en el fuero de Castro Caldelas («Foro do bo burgo do Castro Caldelas»), el texto escrito en gallego-portugués más antiguo que se conserva de entre los producidos en Galicia, el cual fue escrito en 1228, por lo que la adopción de la «ñ» desde el sistema de escritura español al gallego es poco probable, ya que el castellano no penetró en Galicia hasta los siglos XV y XVI.
La historia comienza en los monasterios del siglo IX, donde se necesita economizar letras y pergamino. 
Así pues, para el par «nn» se empezó a utilizar una ligadura formada por una ene con una ene más pequeña en su parte superior llamada virgulilla. 
Con la evolución caligráfica esta virgulilla acabó siendo una raya. Y con la evolución de la lengua en España se adoptó este nuevo sonido como una letra independiente como pasó en otros muchos países con la uve doble. 
De esta forma en el siglo XV se comenzó a identificar la eñe y su sonido como algo propio del castellano por no existir precedente en griego, latín o árabe.
El inglés admite la «ñ» en préstamos del castellano como «cañón» (la grafía más común es «canyon»), «cañada» (en Cañada del Oro en Arizona), «jalapeño», «piñata» o «niño» (en la corriente marina y en la Oscilación del Sur El Niño).
porDaniel

Ch e ll excluídas

A “ch” e a “ll” são letras do alfabeto espanhol? Muitos estudantes brasileiros desejam ingressar na universidade e para isso necessariamente devem aprovar o ENEM ou as provas dos vestibulares. O Espanhol é uma das disciplinas que entram nessas provas. Por tanto, conhecer a gramática, a conjugação de verbos e o vocabulário nesse idioma é fundamental.

Hoje apresento um assunto delicado. A exclusão da ch e da ll. No alfabeto espanhol na Espanha e na América por algum tempo se considerou a existência da “ch” e da “ll” como letras. Hoje vamos estudar acerca disso. Leia e curta esse interessante tema.

Ficam excluídas definitivamente os “dígrafos” “ch” e “ll” do alfabeto espanhol, porque, na realidade, eles não são letras, mas dígrafos, ou seja, conjuntos de duas letras ou grafemas que representam um único fonema. O alfabeto espanhol fica assim reduzido para as seguintes vinte e sete letras: a, b, c, d, e, f, g, h, i, j, k, l, m, n, n, o, p, q, r , s, t, u, v, w, x, y, z.

O espanhol assemelha-se assim com o resto das línguas da escrita alfabética, nas que só considerou-se como letras do alfabeto os sinais simples, mesmo considerando que em todos eles há combinações de grafemas para representar alguns de seus fonemas.

A remoção dos dígrafos ch e ll do inventário de letras do alfabeto espanhol não estabelece, de qualquer maneira, que devem desaparecer do sistema gráfico espanhol. Estes sinais duplos continuam a ser utilizados, como de costume, por escrito, nas palavras em espanhol: o dígrafo “ch” representa o fonema / ch / (ex: chico [Chiko]: menino) e o dígrafo “ll” que representa o fonema / ll / (ex: calle [Kalle, Kaye]: rua).

A novidade é simplesmente que deixam de estar entre as letras do alfabeto espanhol.

Sendo combinações de duas letras, todas as palavras que começam com estes dígrafos ou que os contenham não se alfabetizam por separado, mas nos lugares correspondentes dentro da letra “c” e “l”, respectivamente.

A decisão de adotar a ordem alfabética latina universal foi tomada no X Congresso da Associação de Academias da Língua Espanhola, em 1994, e tem sido aplicada desde então em todos os trabalhos acadêmicos.


Fonte deste artigo: Real Academia Española, acesso em 02/04/2015 às 14:23 hs.

Deixe seu comentário ou tire sua dúvida. Gostou? Achou útil?… compartilhe com familiares, amigos ou colegas.

porDaniel

Alfabeto

Muitos brasileiros procuram um bom curso de espanhol. Eles precisam estudar o idioma espanhol por diferentes motivos: passar nas provas do Enem ou nas provas vestibulares, ter um melhor cargo no emprego, conhecer vocabulário de espanhol para negócios, etc.

Para todos é apresentado aqui o alfabeto espanhol, cuja tradução seria “el alfabeto español” ou “el abecedario español”. Leia com atenção e curta este momento de estudo!

Algumas das letras do alfabeto espanhol tem vários nomes com tradição e validade em diferentes áreas (regiões) do mundo hispânico (Espanha e América Latina). A nova edição da ortografia tem como objetivo promover um processo de convergência na forma de referir-se às letras do alfabeto espanhol, razão pela qual é recomendado considerar para cada letra do alfabeto um único nome comum

O nome comum recomendado para todas as letras do alfabeto espanhol é o que aparece na lista a seguir em cada letra. 

A recomendação de usar um único nome para cada letra não pretende desconsiderar ou achar incorretas as variantes nos nomes ou denominações que ainda estejam em uso e que são apresentadas abaixo:

  • A letra v tem dois nomes: UVE e VE. O nome UVE é o único empregado na Espanha, mas também é conhecido e utilizado em grande parte da América (México, Colômbia, Venezuela, Argentina, Chile, etc.), onde, no entanto, o nome VE é mais usado e utilizado.
  • Os falantes de espanhol que usam o nome VE muitas vezes o acompanham com os adjetivos “corta, chica, chiquita, pequeña ou baja”, para distinguir na língua falada o nome desta letra com a letra b, cujo pronunciado é exatamente o mesmo. Exemplo: “VE CORTA”, “VE BAJA”.
  • A letra B é chamada simplesmente BE por aqueles falantes de espanhol que usam o nome VE para a letra V. E assim como tem adjetivos que acompanham à letra VE, também os tem para a letra BE, por exemplo: be larga”, “be grande” ou “be alta”.
  • A letra w também tem vários nomes: uve doble, ve doble, doble uve, doble ve e doble u (este último, semelhante ao inglês “double u”). É dada preferência ao nome “uve doble” por ser “uve” o nome comum recomendado para a letra “v” sendo mais natural em espanhol a colocação posterior de adjetivos.
  • A letra Y chama-se “i griega” ou “YE”. O nome “i griego” é herdado do latim, e é a forma mais tradicional e mais generalizada da denominá-la, pois reflete a sua origem e o emprego inicial por parte dos gregos que a emprestaram. O nome YE foi criado na segunda metade do século XIX, por aplicação do padrão da maioria das consoantes, que consiste em adicionar a letra vogal E correspondente à letra consonante. Por exemplo: B: BE, C: CE, D: DE, etc.
  • A letra i, cujo nome é “i” também recebe o nome de “i latina” para a distinguir da letra “i griega”.
  • Ao contrário das palavras acima enunciadas, todas válidas, as alternativas de nomes que tenham recebido algumas outras letras no passado não são consideradas aceitáveis ​​hoje; por isso é aconselhável descartar definitivamente o nome “ere” para “r” ou as formas “ceta”, “ceda” e “zeda” para a letra “z“. Os únicos nomes válidos atualmente para essas letras são “erre” para “r” e “zeta” para “z”.

Gostaria de ouvir no idioma espanhol a pronunciação as letras?

Fonte deste artigo: Real Academia Española, acesso em 02/04/2015 às 11:20 hs. Fonte das imagens: site web da Real Academia española e Google earth.

 
Deixe seu comentário ou tire sua dúvida. Gostou? Achou útil?… compartilhe com familiares, amigos ou colegas.